Amor seguro, por que não?

Sei que existem pessoas que gostam de se arriscar, de viver a vida perigosamente, de sentir coisas indescritíveis, mas até que ponto vai isso?

Hoje li um texto em que a autora falava para fugir de amores seguros porque eles não eram de verdade. :O Opa, peraí, como assim? Ela tentou se retificar falando que “amor seguro” não foi o termo apropriado mas o texto todo em si fala que o amor de verdade só é aquele avassalador.

Não que eu discorde dela, cada um tem sua maneira de viver, mas amor/paixão avassalador(a) é legal de vez em quando mas por toda a vida? Fala sério, todo mundo precisa de um momento de paz, de segurança, ninguém aguenta viver o tempo todo na loucura e na ansiedade de viver um amor desses…

Enfim, acho que as pessoas estão seguindo muito a cultura do que é ser feliz, sem se preocupar com o que te faz feliz de verdade. Um momento de descanso, a certeza de que alguém te ama. Românticos não estão em extinção, só não é culturalmente bonito ser romântico. 

Há quem queira viver inseguro, eu não.

Feather

Tatuar uma pena. Porque eu coloco muito peso nas coisas mas no fim do dia tudo que eu queria era me sentir leve…

Eu penso logo que vai dar merda, que acabou o amor, que quem vai me fuder sou eu. E às vezes não é nada, não significa nada. Queria dar menos importância as coisas…

Sinto que mudei. Talvez não meu jeito e minha personalidade mas meu espírito. Minha ideia do que é importante mudou. Minha ideia do que me faz bem também. E vou te falar, tô bem menos exigente. E isso é bom. Me sinto leve.

Hoje ficar na minha cama, ler um livro que eu goste, ouvir o silêncio, pra mim, já é felicidade. Nada de forçá-la, ninguém pra competir, pra mostrar. Só eu e meus pensamentos.

Sempre fui muito reflexiva. E fico olhando as coisas ao meu redor e interpretando, interpretando, até demais. Aí crio as minhas próprias conclusões na minha cabecinha criativa e acabo fudendo tudo.